` Give me Flour | - Part 18

Give me Flour

Brincando com farinha

December 2nd, 2010

Comparado com o primeiro post, essa não é uma boa foto, eu concordo.  Mas ela faz parte da história do blog e não poderia ficar de fora.  Soube, assim que escolhi o nome, que essa seria a receita certa para se começar. Ela acabou não abrindo o caderno de receitas mas está abrindo, merecidamente, a sessão de pães.

Aprendi a fazê-la em uma feira de gastronomia com o chef confeiteiro Dario Viana, acho que no lançamento do livro Atelier Gourmand: 70 Chefs, onde a receita foi publicada. E essa não é uma focaccia tradicional, já trabalhei com outras mas essa continua sendo minha favorita, uma massa surpreendentemente doce que, em contraste com qualquer cobertura salgada, cativa o paladar na primeira mordida.

Sabendo disso, separei os ingredientes, os aparatos necessários, montei um estúdio improvizado no quarto das minhas filhas, liguei a camêra e comecei a fotografar. A princípio a luz estava boa mas, quando a focaccia saiu do forno, a noite estava próxima e a luminosidade terrível.

Engraçado que fazer pão também é brincar com o tempo, só que  ao contrário . Se fotografando vc precisa ser ágil (pelo menos quando se trabalha com luz natural), pra fazer pão a gente precisa é de paciência!

Preparar a massa, relaxá-la, vê-la crescer, tudo isso requer tempo disponível e paciência. Mas tenho que te dizer, nao tem nada mais relaxante do que brincar com farinha!!! Ah, e fotografar, claro……mesmo que da primeira vez a foto saia escura ou o pão não tão macio.

Essa receita pode ser feita à mão ou na batedeira, usando o gancho para massas pesadas. Primeiro, combine os ingredientes secos e o fermento. Adicione 200 ml de leite e o restante do leite aos poucos. Baseado na minha experiencia com a farinha brasilera posso dizer que voce vai usar 250ml ou um pouco mais, dependendo da marca da farinha ou do equipamento usado.

Misture até obter uma massa lisa e elástica. Continue amassando e se a massa estiver muito pegajosa, nao se preocupe, apenas continue sovando!!!!! Se estiver usando uma batedeira isso levará cerca de cinco minutos e provavelmente o dobro do tempo quando trabalhado com as mãos.
Adicione então a manteiga e resolva o problema da pegajozidade!! À princípio vai parecer estranho mas é assim mesmo, continue sovando até toda a manteiga ter sido incorporada à massa.

É hora de deixar a massa relaxar. E você também pode relaxar porque não há segredo nenhum aqui. Não estamos falando do crescimento ainda e sim de um tempo para a massa perder toda a tensão do processo de sova e se tornar mais maleável. Cerca de 25 minutos, num lugar fresco, são suficientes.

Unte a forma com azeite. Seja generoso!! Isso é importante para o sabor característico da focaccia. Você pode fazer como eu, dois círculos de 20 cm cada um ou apenas uma grande e rústica focaccia. Seja criativo! Pincele mais azeite em cima e FINALMENTE, deixe crescer.

Agora sim estamos falando de uma etapa mais relativa. O processo de crescimento pode levar de 1 a 2 horas dependendo da temperatura ambiente e do tipo de levedura que você usou. Basta prestar atenção na imagem, você pode ver a diferença? A massa fermentada está inflada, fofa.

Agora basta seguir os passos das fotos. Proceda da mesma forma se você estiver usando outro tipo de cobertura: distribuia os ingredientes, azeite de oliva em abundância, sal grosso e perfure a massa com os dedos.
Aqueça o forno a 190C. Leva cerca de 15 minutos, justamente o tempo que a focaccia precisa para crescer um pouco mais e se recuperar das perfurações.
Asse por cerca de 30 minutos ou até dourar. Delicie-se.

A MESA

November 27th, 2010

Não pude escrever antes, ainda estava digerindo o jantar de Ação de Graças. Imagine isso: uma família americana recebendo uma família brasileira e uma amiga chinesa. No cardápio, teriyaki japonês preparado com carne de caça, uma salsa estilo mexicano preparada com cranberries e, claro, a tradicional refeição de Ação de Graças. Mesa farta, comida boa, caseira, comida de festa:


Só conseguia me lembrar das palavras de Drummond:

E que poder tem uma mesa de festa, poder de unir não só as pessoas na casa mas diferentes mundos e culturas.

Agora é hora se seguir adiante. O Natal está aí e Ação de Graças já é lembrança…..

________________________________________________________________________

(…)

November 23rd, 2010

Você sabia que existe uma infinidade de blogs sobre comida apenas esperando para serem descobertos, com receitas deliciosas e fotos belíssimas, dicas incríveis e técnicas sofisticadas, sobre quase tudo que você pode imaginar?? Pois é, decidi me unir e AGORA posso dizer que também faço parte desse mundo.

Esse é meu caderno de receitas, para minhas filhas, minha família, meus amigos e para mim, para lembrar o quanto a vida pode ser saborosa!

E antes de comecar, só preciso esclarecer uma coisa. Tenho enlouquecido com essa história de um blog bilíngue!!! Isso porque não se trata apenas de uma tradução literal e sim de um conjunto de outros obstáculos e diferenças entre se cozinhar no Brasil e nos Estados Unidos. Assim, peço permissão pra fazer as coisas do meu jeito, adicionando explicações e notas em português ao mesmo tempo em que omito coisas em inglês, ou vice e versa.

Mas vamos falar do que realmente interessa: a primeira receita.

Depois de muito pensar, decidi que um pudim de abobóra seria um bom começo e uma forma de celebrar aqui o encontro de dois mundos. Estamos a dois dias do maior e mais significativo feriado para os americanos, o Dia de Ação de Graças. E além do peru perfeito, do molho de cranberry ou do purê de batata doce, a torta de abobóra é parte obrigatória da festa.

Me atreveria a dizer que uma Pumpkin pie é tão importante no dia de ação de graças quanto aquele pudim sagrado num almoço de domingo. E acredite, este pode sim ser um sabor perfeito para um pudim.

Não estamos tão acostumados com a diversidade quando o assunto é abóbora. Temos alguns pratos salgados e alguns doces que vêem a minha mente agora, como o doce de abóbora da vó Maria (minha avó do lado materno) que, de tão bom, nunca me deixou pensar em nenhum outro grande uso para esse ingrediente. Isso até conhecer aqui a combinação de perfumes e sabores usada numa Pumpkin Pie.

Gengibre, canela, noz moscada, cravo e pimenta da Jamaica combinados de diferentes e inúmeras maneiras ensinaram-me um novo significado para tudo que  seja rotulado como “sabor de abóbora”.

Então, se você está procurando por uma sobremesa fácil e que impressione, essa é a receita!

Tudo bem, eu admito, a decoração pode ser um desafio. Mas fazer um pudim é algo tão fácil que não te dá o direito de pular nenhum passo descrito aqui!

* uma abóbora pequena é suficiente para essa receita. Corte-a em pedaços pequenos, polvilhe com um pouco de açúcar e noz moscada. Asse (cozinhar pode deixá-la muito líquida) em forno médio por 30 minuto ou até amaciar. Processe ou amasse com um garfo e está pronto para o uso!!!

** A maioria das receitas que encontrei pede 1/2 c. de cha de canela, 1/4 de gengibre em pó e 1/8 de noz moscada e cravo (ou pimenta da jamaica). Como amo gengibre, vou sugerir uma combinação mas você está livre para mudar!!

__________________________________________________________________

******* alguns exmplos de decoração

Ingredientes

1/2 x. de açúcar

2 1/2 c. de sopa de glicose de milho (ex. Karo)

50ml de água

Em uma panela pequena, misture e cozinhe ate derreter e atingir a cor de caramelo, como mostra a foto acima. Isso pode levar uns 20 min, observe com cuidado.

Prepare uma superfíe plana untada com manteiga ou use um Silpat.

Com uma colher, despeje o caramelo com cuidade sobre a superfície preparada fazendo diferentes desenhos e dando diferentes formas. Deixe esfriar completamente, quebre em pedaços e empregue apenas antes de servir.

Enjoy!!



Proudly powered by WordPress.
Copyright © Give me Flour. All rights reserved.